Santorini

Ir para a Grécia e não passar pela ilha de Santorini, não pode considerar que conheceu a Grécia.

Uma ilha vulcânica, mágica, acolhedora e com vilas extraordinariamente lindas para se conhecer, Santorini é um dos roteiros preferidos e inevitáveis de todos os turistas que vão para a Grécia.

Foi assim que me senti quando fui para lá no ano passado. Por causa de falta de organização, apesar de já ter conhecido Mykonos, não poderia deixar de realizar o sonho de conhecer as famosas capelas de telhado azul. Fiz malabarismos com o tempo, e depois de conseguir organizar com uma agência de viagens uma maneira de chegar até Santorini, nem que isso me custasse o triplo do preço e só algumas horas para conhecer o lugar, não pensei duas vezes e lá fui eu realizar um sonho.

Esse ano, assim que decidi voltar para a Grécia, passar por Santorini era algo indiscutível, e assim foi a opinião da Joice. Separamos 1 dia para Atenas e 4 dias inteiros para conhecer uma das ilhas mais românticas do mundo. Ano passado a correria foi tanta, a felicidade imensa de estar lá e o tempo tão curto, que dessa vez decidimos não arriscar e curtir cada pedacinho da ilha, com tempo de sobra para ir e voltar de cada vila ou praia sempre que gostaríamos, e ir presenciar todos os dias o tão famoso pôr do sol.

Aquele real sentimento de que você diz “Nossa, estou na Grécia!” começa logo depois que o ferry deixa o porto de Atenas e começa a entrar na imensidão azul que é aquele mar. O sentimento aumenta cada vez mais a cada passo que você dá já em Santorini e acho que o ponto máximo é quando você fica cara a cara com aquela imagem de cartão postal da vila de Oia (pronuncia-se Ia).

Santorini faz parte das Ilhas Cíclades, que é o arquipélago no mar Egeu que reúne as mais famosas ilhas gregas. Junto com este paraíso, estão Mykonos, Ios, Naxos e Paros. Uma viagem para qualquer um desses destinos vai ser inesquecível, mas o pôr do sol de Oia é de uma beleza inexplicável.

“Santa Irini” é o nome pelo qual os venezianos chamavam Santorini, mas o nome oficial da ilha é Thira e tem como capital a vila de Fira. Thira na verdade é o grupo de ilhas que se formaram depois da erupção que aconteceu há mais de 3.000 anos e destruiu quase todo seu território. Por causa dessa erupção é que Santorini possui um formato quase que circular formado pelas suas ilhas. Também depois da erupção, duas ilhas menores foram formadas no centro da Caldera, a Palea and Nea Kameni. Vários passeios são organizados até essas ilhas, levando os turistas para subir até o topo da Nea Kameni(Volcano) para  passear pela lava vulcânica e terminar o passeio com um mergulho nas águas termais, Hot Springs, entre as duas ilhas.

Vista do Volcano

É na capital Fira onde o comércio e uma grande parte dos hotéis estão localizados. Supermercados, ônibus para outras vilas da ilha, agências de viagens e serviços de aluguel de carros e motos são encontrados com facilidade na capital de Santorini.

Não é a parte mais bonita da ilha, mas possui uma vista exuberante da Caldera, e não é difícil ficar hipnotizado com todas as vitrines de joalherias e souvenir. É por ali que todo passeio começa e merece um pouco do seu tempo para tirar fotos, almoçar com um preço mais em conta ou só uma caminhada despretensiosa pelas vielas e escadarias que cercam o lugar.

Uma das igrejas de Fira

As praias não são as mais bonitas da Grécia, mas são exóticas por causa da típica areia e pedras vulcânicas, bem diferente da areia branca de Mykonos por exemplo. As praias mais famosas são Kamari, Perissa e Red Beach, a última conhecida por seus cliffs, tornando a paisagem ainda mais inigualável.

Toda a ilha pode ser explorada de ônibus ou se preferir não se preocupar com horários, alugar uma moto ou carro é uma boa idéia. Eu aluguei um quadriciclo para conhecer a ilha por conta e foi uma experiência um tanto quanto emocionante. Quem anda bem de moto, aconselho alugar uma moto normal se quiser passear o dia inteiro, pois com o quadriciclo a estabilidade foi péssima e acelerar a moto com o dedão deixou uma dor insistente por dias! Mas valeu a experiência e nos divertimos muito tentando pilotar a moto.

Não deixe de saborear a comida do lugar e vale a pena sim gastar uns eurinhos a mais para sentar num lugar legal e com a vista para o mar. Experimente o Vinsanto, vinho licoroso de Santorini, delicioso! Pratos com tomate cereja, abobrinha, berinjela e o famoso iogurte com mel!

Espeto de Lagosta!

Ano passado fui para a Grécia no fim de maio, e esse ano não foi diferente. Viajar fora da alta temporada é uma boa maneira de economizar dinheiro e aproveitar as ilhas com muito menos gente do que no auge do verão. Acho uma vantagem viajar no comecinho da alta temporada, porque não consigo imaginar as pequenas ruas de Santorini muito mais lotada do que eu presenciei. Não se preocupe com o clima, porque tanto em Atenas quanto nas ilhas, as temperaturas estavam na média dos 30 graus e com certeza vai dar praia na sua viagem.

Santorini vai ser inesquecível de qualquer forma…Ficando 1 ou 10 dias na ilha, esse roteiro deve ser sempre incluído na sua viagem!

Anúncios

Casa do Alentejo

Quando chegou a hora de almoçar, a Paula me perguntou o que gostaria de comer… No mesmo momento respondi que gostaria de experimentar algo típico de Portugal.

Para minha surpresa, ela não me levou para comer bacalhau, mas me levou para um mundo a parte, escondido atrás de uma portinha, ainda na Baixa, na Casa do Alentejo.

Esse é um daqueles lugares que, se estivesse turistando sozinha por Lisboa, passaria totalmente despercebido. Não é o tipo de lugar que chama atenção por fora, mas sabendo um pouco sobre o que pode encontrar por trás daquela fachada, já é o suficiente para te incentivar a entrar.

A região do Alentejo é a maior de Portugal e tem fortes influências árabes na sua cultura. A ocupação pelos árabes no sul do país teve uma duração de quase 500 anos.  Tanto que, se for visitar algumas igrejas cristãs da região, muitas delas foram reedificadas em cima de mesquitas. Mértola é a vila onde mais se pode perceber essa herança árabe.

Por causa das grandes planícies, a região desenvolveu ótimas condições para o plantio de trigo, cevada, aveia e girassol. Também por causa das boas condições agrícolas, a região se orgulha muito do Vinho Alentejano, uma das suas principais produções. Bejo, Portalegre e Évora são ótimas cidades para apreciar a cultura alentejana. Não posso esquecer de mencionar que o centro histórico de Évora foi declarado como Patrimônio Mundial pela UNESCO.

É uma região com muita história e com uma cultura peculiar, por isso vale muito a pena tirar uns minutos do seu dia para sentar na Casa do Alentejo, provar um vinho e quem sabe alguns petiscos ou até uma refeição completa.

A Casa fica localizada na Baixa, na Rua Portas de Santo Antão, 58.  Quando abri a porta e dei de cara com a escadaria, comecei a entender porque era realmente um “mundo” lá dentro. Já na entrada é possível reconhecer toda a arquitetura árabe, cheias de mosaicos, que lembram muito o Marrocos.

No térreo, onde ficamos, se encontra o bar da Casa do Alentejo, ambiente um pouco mais informal, mas muito aconchegante. No primeiro andar fica o restaurante, lugar para comer com mais calma, por causa da comida pesada, característica da comida alentejana.

Dentro do palacete da Casa do Alentejo, além do bar e restaurante, também há uma biblioteca social, pátio árabe e salões para festa (incríveis!).

Paula e eu comemos no bar várias entradas com pães, queijos da região, uma jarra de vinho, Migas (aprovado!) e chorizo (que não é feito de sangue!) e uma sobremesa cada e a conta deu menos de 10 euros para cada uma.

Uma opção barata para quem quer conhecer uma nova cultura!

DICAS ÚTEIS

Casa do Alentejo

Rua das Portas de Santo Antão, 58
1150-268 Lisboa
Tel.: 213405140

Todos os dias da semana
Horário: 12:00 às 15:00 e das 19:00 às 23:00
Animação: Presença de grupos cantares alentejanos e bailes aos Domingos.